Marque já a sua consulta (21) 3268-3492 (21) 99056-8583 Marque sua consulta

Como prevenir o câncer de intestino


Virose
Quando detectado precocemente por exames, pode ser curável.
De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), o terceiro tipo de câncer mais comum nos brasileiros são os tumores no intestino grosso – chamado cólon – no reto (parte final do intestino) e no ânus, também conhecidos como câncer de cólon e reto ou colorretal.
Esse tipo de câncer tem tratamento e, na maioria dos casos, tem cura se for identificado no estágio inicial. Muitas vezes, esses tumores se originam de pólipos, lesões benignas que podem crescer na parede interna do intestino grosso.
Segundo o dr. Daniel Kushnir, proctologista da Medcenter Copacabana, o câncer de intestino, ainda em fase inicial, tem o diagnóstico precoce por meio do exame preventivo recomendado para homens e mulheres após 45 anos.
Os principais fatores que influenciam o desenvolvimento do câncer de intestino são idade igual ou maior do que 50 anos; excesso de peso; histórico familiar; alimentação desbalanceada (pobre em fibras); consumo de carnes processadas, como salsicha, mortadela e presunto; ingestão excessiva de carnes vermelhas (mais de 500 gramas por semana), tabagismo e alcoolismo.
Como evitar

A prevenção do câncer colorretal passa pela prática de exercícios físicos regulares, uma dieta saudável, com alimentos in natura ou minimamente processados e ricos em fibras, abandono do cigarro e consumo moderado de bebidas alcoólicas.
Sinais e sintomas
  • sangue nas fezes;
  • alteração do hábito intestinal (diarreia e prisão de ventre alternados);
  • dor ou desconforto abdominal;
  • fraqueza e anemia;
  • perda de peso sem causa aparente;
  • alteração na forma das fezes (fezes muito finas e compridas);
  • massa (tumoração) abdominal.
Detecção precoce e diagnóstico

Os tumores de cólon e reto (ou colorretal) podem ser descobertos precocemente, por meio de dois exames principais: pesquisa de sangue oculto nas fezes e endoscopias (colonoscopia ou retossigmoidoscopia). O diagnóstico requer biópsia – exame de um pequeno pedaço de tecido retirado da lesão suspeita feito por meio de aparelho introduzido pelo reto (endoscópio).